Click here for English version
Cliquez ici pour la version en français

Por Ary Alonso Millan(†)

Quando paramos para observar os bebês, podemos perceber que nada do que fazem tem sentido. A movimentação deles não segue nenhum tipo de ordem – estão totalmente abertos às novidades. Na verdade, é completamente perceptível que preferem o desconhecido, simplesmente, por ser diferente.

Se fôssemos definir a vida de um bebê, deveríamos usar expressões como: errático, excêntrico, extravagante, irregular, instável, e por aí vai… Jamais pensaríamos em planejamento, organização ou disciplina. Ele experimenta tudo que passa ao seu alcance, sem julgamento. Apenas verifica o que funciona para trazer o resultado esperado e descarta o que não funciona e não traz o que espera.

O problema é que um dia o bebê “cresce” e parece um adulto, um ser amadurecido e que aprendeu muito com suas experiências erráticas. No entanto, como ele continua a agir como se tudo fosse aleatório, de pouco serve a vivência passada, pelo menos, na prática.

O fato é que fazemos as mesmas coisas por anos a fio e, com base num raciocínio estranho, no mínimo bizarro, queremos colher resultados diferentes. Não entendemos por que as situações da nossa vida não mudam. É como se ficássemos dando murro em ponta uma faca e achássemos que um dia não iria furar. Se isso não fizesse com que a maioria de nós sofresse, infantilmente, até que seria bem engraçado.

Devemos parar de levar a vida reagindo erraticamente; afinal, já parecemos bem grandinhos.

Cuide da causa e controle o efeito.