Click here for English version
Cliquez ici pour la version en français

Por Diana Morais
Coach de Consciência

O ego é tido como vilão em diversos aspectos sociais, resultado de uma linha de pensamento ultrapassada e princípios arcaicos religiosos. A sensação de fazer tudo errado e o sentimento de culpa são alguns sintomas de atitudes de auto-desvalorização. Como pode um ego mal tratado fazer boas escolhas? As escolhas serão sempre de compensação, criando um fluxo de altos e baixos na vida. O pior é convencionar esses altos e baixos como norma, outro principio antiquado.

O limite de nossa imodéstia  está na harmonia e integração interna, para agir da mesma forma com quem nos relacionamos. Nosso ego se torna nosso próprio inimigo quando deixamos ser dirigidos por vontades e quereres temporários.

Todos nós precisamos de um grau de narcisismo para nossa auto estima. Um ego preenchido e equilibrado terá mais clareza nas escolha do que é o melhor. A chave para essa integridade está em usá-lo para seu propósito: escolher o que queremos criar no presente.

Analisar o passado ou o outro é alimentar o ego com comparação e perder-se no processo do que realmente interessa. É o equivalente de querer usar um barco para conectar-se na internet, simplesmente não funciona, ele não foi criado para isso. Não podemos mudar o que passou e muito menos o outro. Podemos escolher o melhor agora e criar nossa realidade futura através de nossa atitude presente. Usando nossa inteligência de sobrevivência para seu propósito e nossa inteligência criadora para sua finalidade, a consequência será um ego bem tratado e integrado de forma permanente. Basta se perguntar a cada situação (ainda que não saiba as respostas):

Qual é o meu desejo? O que posso fazer pelo meu desejo agora?

Mude agora e viva outro efeito.