Click here for the English version
Cliquez ici pour la version en français

Por Ary Alonso Millan(†)

A preguiça do homem faz com que ele queira resolver tudo com a mente. Diz-se: “mente sobre a matéria”; “a mente cria a matéria”; “a mente é a matéria” e etc. Como nossos pensamentos não são feitos de estrutura atômica, imaginamos que são a parte sutil de nossa existência e que poderá explicar tudo que não for físico. Trata-se apenas de uma distração, porque tudo que é mental está associado ao nosso corpo.

Esquecemos por não sermos mais capazes de perceber a natureza com intimidade, que basta observar o funcionamento de tudo que nos cerca para entendermos o propósito de nossa vidas. Criamos então todo tipo de tolice moral e ética para justificar as escolhas estúpidas que fazemos.Apenas mudamos o nosso condicionamento de certo e errado, positivo e negativo, feio e bonito tal e qual acontece no treinamento de um cachorrinho.

A ciência médica não está voltada mais para recuperar o bem estar de uma pessoa, mas sim para criar exames e testes que sustentem os negócios da área.Assim, por mais que ela, a medicina, diga que somos o que comemos ou o que pensamos, não está funcionando de um jeito ou de outro.

Apesar de sermos a inteligência por trás de nossa estrutura atômica, insistimos em resolver tudo pela parte que parece mais inteligente no corpo: o cerebro e sua extraordinária mente. Ora bolas, por mais espetacular que sejam os pensamentos, eles são apenas uma forma de manifestação, mas nunca a inteligência por trás da vida.

Uma mente brilhante, com todas as bibliotecas do mundo será sempre nada em comparação com a consciência metafisica que tudo governa.Abandone o temporário da mente para viver o permanente da consciência.

Cuide da causa e controle o efeito.