Click here for the English version
Cliquez ici pour la version en français

Por Ary Alonso Millan(†)

A ciência declarou, no ano 2000, que a natureza de nossas células é regenerar-se infinitamente. O que quer dizer isso? Quer dizer que não nos regenerarmos é uma corrupção da nossa natureza.

A evolução, pura e simples, de qualquer aspecto da vida é a prova de que as barreiras só existem para serem superadas, ou melhor, rompidas. No entanto, estamos quase que o tempo todo estabelecendo limites para tudo que fazemos. Quando sentimos frio, em vez de procurarmos nos aquecer ou proteger, dizemos para nós mesmos que vamos nos resfriar. O que acontece? Ficamos resfriados.

A grande questão é: por que manifestamos consciências que não desejamos de fato? Porque achamos que brincar de profeta ou falar coisas que combinam com as estatísticas nos dá uma sensação de “acerto”. Como se o propósito da vida fosse dizer ou definir o que é certo e o que é errado.

Sinto muito, mas o Universo é perfeito dentro da Lei de Causa e Efeito. Toda manifestação atômica ou física vai gerar um efeito ou consequência. É assim porque o que movimenta tudo é o desejo. Cada desejo verdadeiro expressado vai ser preenchido, assim na terra como no céu. Quer dizer que é a mesma coisa no físico e no metafísico. A única diferença é que, nas dimensões metafísicas, não existe tempo, espaço e movimento. Não requer esforço.

A principal característica da vida que conhecemos é o esforço atômico. Desde respirar, bater o coração ou construir um prédio, tudo requer um trabalho que gera fricção dos átomos. Romper barreiras é não se impressionar com isso, simplesmente, porque nós somos a inteligência criadora de toda realidade.

Abra mão das consciências de limitação e comece a caminhar na direção da imortalidade.

Cuide da causa e controle o efeito.