Por Diana Morais
Coach de Consciência

Me impressiona a quantidade de posts no Facebook reclamando da situação no Brasil – das atitudes dos políticos, da falta de infraestrutura, segurança, respeito e por aí vai. Os posts apontam cada vez mais em quem não votar, em quem deve ser punido e, mais do que nunca, promovendo a oposição. Apontar o dedo para o que não funciona é bem confortável, mas não nos ajuda em nada, e pior, essa consciência de desvalorização tem um preço. 

Para mudar a situação do país, é necessário coragem e enfrentamento político – atitudes que vão além da indignação coletiva superficial, que resolve apenas temporariamente a questão. O diferencial de uma nação onde existe integridade não é o político no poder, e sim o “egoísmo esclarecido” de cada cidadão. Um conceito estranho para a nossa cultura latina, onde somos todos “altruístas” e pouco práticos.

Respeito é a base. Embora ela seja reconhecida por muitos como sendo apenas uma palavra em um post, respeito é uma atitude. Na França, um torcedor do PSG é incapaz de criticar um jogador do seu time. “Enquanto ele for do PSG, vou torcer por ele”, escutei certa vez, no Parc de Prince. No Hemisfério Norte, ninguém se envergonha de ser individualista, e nem tem a pretensão de se gabar ou de se vangloriar por participar de problemas que são gerais.

Devemos ter respeito por nós mesmos, pois, só assim, efeitos desconfortáveis e aparentemente aleatórios vão deixar de acontecer em nossas vidas. Antes de existir qualquer “acidente”: terremoto, resfriado, harmonia, amor ou prosperidade, é preciso criar o comportamento correspondente para que tal efeito aconteça.

Toda e qualquer atitude que temos em nossas vidas gera um efeito. Pode custar caro ser leviano em nossos posts de aparente efeito moral.

Mais do que discursos exibicionistas, precisamos de atitudes individuais que estabeleçam uma vida de verdade. Eu garanto que você vai gostar dos efeitos na sua realidade.

Mude agora e viva outro efeito.